Será que os planos anuais são melhores que os mensais? E o que falar das compras mensais?

Saber o quanto gastar em um determinado período — seja mensal ou anual — é uma tarefa muito difícil de fazer, especialmente quando não se tem ainda muito controle das finanças. Além disso, quando gastamos mais do que precisamos acabamos nos sentindo no prejuízo — especialmente quando esse dinheiro é gasto com os outros.

Pois é! O nosso cérebro tem dificuldade em analisar realmente o que precisamos e essa é uma das principais dificuldades na hora de decidir o quanto e quando devemos comprar determinados itens.

Continue a leitura e fique por dentro das melhores opções de estilos de compra para você baseado no seu perfil consumidor.

Vantagens e desvantagens na hora das compras

Na compra de dois itens, o terceiro é de graça. Pacotão lacrado com dez unidades. Rolos e mais rolos de papel higiênico. Dá gosto de ver o carrinho cheio, e de pensar na economia de tempo e dinheiro que a famosa compra do mês pode proporcionar. Mas lembre-se de que a rotina de compras, antes de mais nada, deve ser adequada à sua realidade.

Pessoas com renda variável, ou que recebem por diária de trabalho, talvez tenham dificuldade de planejar o orçamento para uma grande compra – e o Brasil tem hoje mais de 40% de seus trabalhadores na informalidade, muitos dos quais não têm a segurança de um pagamento fixo mensal.

O transporte também é um ponto de atenção: quem não tem carro enfrenta problemas para carregar compras grandes, e os descontos podem ser perdidos para pagar um táxi ou a taxa de entrega. Muitos também têm dificuldade de estimar o que vão precisar para períodos mais longos, e aí é melhor diminuir o tamanho da compra para não gerar desperdício.

Assim, tudo o que tiver prazo de validade longo pode ser comprado de uma só vez, como alimentos não perecíveis (arroz, feijão e enlatados), produtos de higiene e produtos de limpeza doméstica. 

Essa também é a melhor chance de aproveitar ofertas por quantidade, estocando em casa por prazos mais longos. Considere, claro, a validade, o orçamento, e o espaço para armazenar os produtos.

A tentação na hora das compras

Lojas, supermercados, serviços, e qualquer relação comercial tem um objetivo principal: vender mais ou criar relacionamentos duradouros com seus amados clientes.

Para evitar cair nos estímulos da tentação, tente manter a concentração no objetivo da compra e focar nos produtos que te levaram até lá. Uma lista costuma ajudar na tarefa de escapar das armadilhas. 

Afinal, o que é melhor: compra mensal ou semanal?

Depende. Entenda melhor seu perfil de consumo para fazer a escolha. 

Prefira compras mensais se:

  1. Seu pagamento é regular e permite manejar valores mais altos de uma só vez;
  2. É possível para você transportar grandes quantidades de itens;
  3. Tiver facilidade em planejar compras maiores;
  4. O tempo for um fator muito importante no seu cotidiano;
  5. É difícil para você controlar os estímulos que levam a comprar por impulso.

Compras semanais vão funcionar melhor para você se:

  1. Descontos são aliados e não um convite a comprar tudo o que esteja em oferta;
  2. Sua remuneração não é fixa ou estável;
  3. A maior parte da sua cesta é composta por itens perecíveis;
  4. Múltiplas visitas ao supermercado não atrapalharem sua rotina;
  5. Não tiver um mercado perto de casa ou carro para carregar as compras.

O que é melhor: plano mensal ou anual?

Quando o assunto é plano de assinatura – de TV, streaming, academia… – alguns serviços são oferecidos com períodos estendidos, e o cliente recebe descontos por se fidelizar à marca, geralmente com planos anuais.

Essa é uma excelente estratégia de economia doméstica quando se trata de itens que você já conhece, confia, gosta, faz uso recorrente e pode pagar. Mas, se uma dessas condições não for atendida, o plano anual pode ser uma cilada. 

A academia é um dilema clássico: no momento da contratação vem aquela animação, a certeza de que você vai usar pelo ano inteiro, e que é mais barato pagar o anual do que o mensal.

Mas vale lembrar que as estatísticas não jogam a nosso favor. Um estudo recente mostrou que apenas 3,7% dos alunos permanecem na academia por mais de 12 meses.

Nesse caso, é melhor optar pelo valor mensal do que correr o risco de se amarrar em um contrato pelo restante do ano sem desfrutar dele. A menos que isso sirva de motivação para seguir em frente com os exercícios, o plano pode ser estendido quando já estiver engrenado na nova rotina.

Isso também serve para aquilo que você ainda não conhece bem. Antes de assumir um compromisso de longo prazo, ganhe intimidade com o que está contratando, aproveite para testar gratuitamente quando há essa opção, e experimente planos mais curtos até ter certeza de que você gosta do que é oferecido.

Em todos os casos, é importante fazer as contas e entender o tamanho do desconto, revisando também as regras para cancelamento. Se a multa for grande, o desconto torna-se um risco, e talvez passe a não compensar. Planos trimestrais ou semestrais podem ser uma boa saída para escapar de ciladas.