Saiba qual a relação entre os seguros de vida e o seu bolso

Planejamento é mais do que uma palavra bonita que pode ser usada quando queremos parecer mais inteligentes. Ela pode ser traduzida, na prática, como o que devemos fazer para alcançar um determinado objetivo.

Sendo assim, quando estamos falando do nosso dinheiro, isso é ainda mais importante. Especialmente quando a falta dele deixa claro que se “tivéssemos feito algo de forma diferente” provavelmente tudo teria dado certo.

Pois bem, e o que dizer quando alguém importante morre ou enfrenta uma doença muito grave? Será que é fácil contornar essa situação? Acredito que não! Aqui volta o planejamento, e com ele a necessidade de contratar um seguro de vida.

Tudo bem, entendi que é importante se planejar para que no momento que os imprevistos aparecerem eu saiba o que fazer. Mas afinal, como faço isso? Continue a leitura e descubra como se precaver nos momentos difíceis.

Custos para quem falece no Brasil

Mesmo que a média salarial de um brasileiro beire a faixa de R$ 2.500, esse valor é praticamente igual ao que uma pessoa precisa desembolsar para organizar um funeral — dados da Associação Brasileira de Empresas e Diretores do Setor Funerário (Abredif) mostram isso.

Desta forma, um brasileiro precisa arranjar o salário de um mês (considerando a média nacional) para poder resolver apenas essa parte — aqui, não entram os outros custos como documentos, advogados, impostos, etc.

Quer dizer: nem sempre é uma tarefa fácil enterrar um ente querido no Brasil. Nessas horas, geralmente os familiares fazem uma vaquinha e tentam, com muita dificuldade, solucionar uma questão tão delicada, já que muitas vezes, essas pessoas não contam com uma reserva de emergência.

Prepare-se para os imprevistos!

Da mesma maneira que procuramos nos organizar para fazer aquele curso que vai dar um boost na nossa carreira, ou até mesmo aquela viagem dos sonhos, por que não estar preparado para os imprevistos?

Pois bem, apesar das pessoas acharem que os seguros de vida só servem no momento em que alguém morre, isso não é bem verdade — pelo menos, em parte. Dependendo do tipo do seu plano, você pode contar com uma compensação caso alguma doença grave seja diagnosticada e você não possa mais trabalhar, por exemplo. 

Isso sem contar, os gastos com a internação que fazem parte do pacote. Vale consultar todas as condições para ter certeza que você tem direito a todos os benefícios.

Seguro de vida: afinal, o que é isso?

O seguro de vida é um dentre os mais diversos tipos de seguro que existem por aí. Um seguro pode ser definido como uma espécie de proteção contra eventuais acontecimentos que podem ou não se tornar realidade. Caso aconteça, o contratante recebe uma indenização.

Em um seguro de vida, mais especificamente, é feito um contrato onde o contratante deve fazer a escolha de quem serão as pessoas aptas a receber o valor da cobertura caso a sua morte aconteça. Dessa forma, antes de darmos prosseguimento na explicação de como ele funciona, é muito importante que fique claro que:

  • O titular é o responsável pela contratação do seguro; a cobertura é relativa à vida e à saúde do titular. A depender do tipo de seguro, ele pode ser individual ou de mais pessoas, como em uma família;
  • Caso o titular venha a falecer, os beneficiários escolhidos por ele receberão indenizações. Se acontecer do titular não especificar quem são os beneficiários, os valores serão entregues ao herdeiro legal do contratante.

A principal cobertura em um seguro de vida está relacionada à morte; seja ela natural ou acidental. Sendo assim, quando o titular vem a falecer, os seus beneficiários serão cobertos pelo valor do seguro.

Além da cobertura por morte, que é o mais comum nos seguros de vida, pode-se destacar também a cobertura contra:

  • Invalidez acidental permanente, parcial ou total;
  • Assistência funeral;
  • Despesas médico-hospitalares;
  • Diárias por internação hospitalar ou incapacidade temporária;
  • Doenças graves;
  • Dentre outras coisas.

Porém, vale ressaltar que essas coberturas podem variar de seguradora para seguradora. De forma geral, o que é mais comum de acontecer é de ser oferecida a cobertura contra a morte de quem contratou o seguro.

Como um seguro de vida pode me ajudar?

Com o seguro de vida você tem uma sensação maior de segurança caso algo aconteça. Ao tê-lo nesses momentos de emergência você estará garantindo mais conforto para sua família, pois não será necessário tirar dinheiro do seu orçamento familiar para suprir as despesas.

Quando você garante essa segurança, os seus familiares não terão que se preocupar com essas questões burocráticas em um momento de dor e dificuldade. Além disso, eles não ficarão desamparados, tendo que correr atrás de quem os ajude, provavelmente dependendo da ajuda de parentes.

No mercado, há uma grande variedade de planos. Você pode optar por um contrato mensal ou anual, por exemplo. O grande diferencial ao se ter um seguro de vida é que você está se planejando caso algum imprevisto aconteça. Ou seja, sua família não ficará perdida sem saber o que fazer, pois tudo já estará resolvido!

Portanto, faça uma análise geral do seu estilo de vida, sem esquecer de incluir as necessidades de sua família e pesquise a melhor opção para você. Você encontrará um que vai se encaixar muito bem no seu bolso e que oferecerá o que você realmente precisa.