Quanto custa operar na Bolsa de Valores?

A negociação de ações é o ato de comprar e vender títulos, por meio do qual estratégias de curto prazo são empregadas para maximizar os lucros. Os negociantes ativos tiram proveito das flutuações de curto prazo de preço e volatilidade. 

O investimento casual envolve a compra e manutenção de títulos, com o investidor focando em estratégias de longo prazo para maximizar a riqueza. Passar do investimento casual para a negociação ativa é um grande passo que envolve, além de maiores riscos e a necessidade de maiores estudos para analisar efetivamente a oportunidade de compra e venda de um determinado ativo, a análise dos custos envolvidos na operação diária.

Portanto, é importante entender as implicações de fazer a mudança, como pagar comissões, taxas e emolumentos maiores o que pode reduzir seus ganhos antes de você começar.

Despesas Comerciais

É provável que as taxas de corretagem ou comissões das corretoras sejam o maior custo que você assumirá como operador ativo. Isto porque embora operar na bolsa possa exigir qualificação do investidor através de cursos, estudos, livros, análises etc., hoje em dia a maioria das informações está disponível gratuitamente na internet. Além disso, não há necessidade de investimentos em equipamentos, softwares ou outros bens para começar a investir na bolsa. Na verdade, está cada vez mais simples investir visto que tem surgido diversas corretoras e fintechs com a proposta de popularizar o investimento em ações, derivativos e títulos públicos.

O investidor deve considerar dentre as corretoras existentes aquelas que possuem uma taxa de corretagem que implique uma boa relação custo-benefício, lembrando que hoje há diversas corretoras que não cobrar taxas de corretagem para a realização de operações.

Isto pode parecer um custo irrisório mas, considerando-se que um investidor pode realizar uma centena de operações por mês, uma taxa, por menor que seja, pode implicar uma despesa considerável.

No entanto, a corretagem gratuita também pode implicar em um serviço ou um atendimento com pior qualidade ou, com menos assessoria técnica. Assim, é que o investidor deve avaliar qual a melhor opção para seu caso específico.

Requisitos de operação e taxa de custódia

Embora não haja uma regra rígida e rápida sobre quanto você deve ter em sua conta para começar a negociar, muitas corretoras definirão esse valor para você. 

Para um bom começo, certifique-se de verificar se há requisitos de aplicação mínima nas corretoras por meio das quais você pretende investir. Além disso, verifique se há cobrança de taxa de custódia para as ações que você negociar. Algumas corretoras isentam da taxa de corretagem, normalmente cobrada por ordem, mas cobram uma taxa mensal fixa para a custódia dos seus títulos.

Definições rápidas: taxas comuns de investimento e corretagem

  • Taxa de corretagem: a taxa de corretagem é cobrada pela corretora que mantém sua conta de investimento. As taxas de corretagem incluem taxas anuais para manter a conta da corretora, assinaturas para pesquisa de prêmio ou dados de investimento, taxas para acessar plataformas de negociação ou até taxas de inatividade para negociações pouco frequentes.
  • Comissão de negociação:  também chamada de taxa de negociação de ações, é uma taxa de corretagem cobrada quando você compra ou vende ações. Você também pode pagar comissões ou taxas para comprar e vender outros investimentos, como opções ou fundos negociados em bolsa.
  • Taxa de transação de fundo mútuo:  Outra taxa de corretagem, desta vez cobrada quando você compra e / ou vende alguns fundos mútuos.
  • Relação de despesas: uma taxa anual cobrada por fundos mútuos, fundos de índice e fundos negociados em bolsa, como uma porcentagem do seu investimento no fundo.
  • Carga de vendas: uma taxa de vendas ou comissão sobre alguns fundos mútuos, paga ao corretor ou vendedor que vendeu o fundo.
  • Taxa de administração ou consultoria: Normalmente, uma porcentagem dos ativos administrados, paga por um investidor a um consultor financeiro ou robo-consultor.

Como as taxas de investimento e corretagem afetam os retornos

Mesmo uma pequena taxa de corretagem aumentará com o tempo; algumas taxas de investimento juntas podem reduzir significativamente o retorno do seu portfólio. Se seu portfólio teve um aumento de 6% no ano, mas você pagou 1,5% em taxas e despesas, seu retorno na verdade é de apenas 4,5%. Com o tempo, essa diferença realmente aumenta.

Como economizar em taxas na hora de investir

As taxas são um mal inevitável do investimento, mas isso não significa que você precise pagar a mais quando se trata delas. Poucas pessoas prestam muita atenção às suas despesas de investimento quando os tempos são bons, mas o que não percebem é que essas pequenas taxas incômodas podem corroer seus retornos.

Os investidores que gostam de assumir o controle de seu portfólio escolhendo suas ações podem facilmente ter problemas com taxas de despesas se usarem uma corretora que cobra taxas elevadas por operação.

Neste mundo acelerado em que vivemos, é compreensível que as pessoas não tenham tempo para verificar em suas contas de investimento e identificar as taxas que estão pagando, mas dedicar um tempo extra para esta tarefa pode ser financeiramente compensador.

Assim, vale sempre a dica de pesquisar e se informar. Há corretoras que isentam das taxas de corretagem para operações com ações. Outras isentam a taxa de corretagem para operações com fundos de investimento imobiliário. Por isso, avalie e escolha a corretora que atende melhor ao seu objetivo, podendo, inclusive, abrir conta em várias corretoras, cada uma para atender a uma determinada finalidade.

O que achou das dicas de investimentos? Para mais conteúdos como esse, continue em nosso blog.