O que saber antes de investir em um fundo de previdência privada?

É provável que você se aposente em algum momento da sua vida, possivelmente com idade avançada, seja porque você estará cansado demais para trabalhar, seja porque sua saúde não mais permitirá que você exerça aquela atividade, seja porque trabalhar se tornará penoso demais para você ou, ainda e principalmente, porque você ainda deseja aproveitar a sua saúde e seu tempo para realizar seus projetos e seus sonhos, aproveitando seu lazer e a presença de seus familiares nas atividades que gosta.

A chave para uma aposentadoria bem-sucedida é, antes de mais nada, planejamento e, com isso, ter um fundo de aposentadoria robusto e uma renda regular. Este artigo o ajudará a escolher o melhor plano de previdência para você, consoante seus objetivos de longo prazo.

O planejamento da aposentadoria é uma responsabilidade financeira da maior importância e muita vezes negligenciada por quem ainda está ativo e enfrentando os desafios do mercado de trabalho, sem tempo para se programar nem mesmo para projetos de curto prazo. Mas se a falta de tempo e interesse persistirem agora, certamente você irá se arrepender mais tarde, pois provavelmente viverá por mais tempo do que durarão suas economias e não terá fundos suficientes para viver uma vida independente pós-aposentadoria.

Portanto, é vital começar a investir desde cedo.

Como começar e escolher o melhor plano de previdência? As dicas a seguir irão ajudá-lo.

O que é e para que serve um plano de previdência privada

O principal objetivo de aderir a um plano de previdência privada é obter a segurança e renda necessárias para viver a idade madura, quando os rendimentos decorrentes do trabalho tendem a decrescer e as despesas tendem a aumentar com os gastos da velhice. Assim, a previdência privada atende ao propósito de constituição de fundos e poupança para manter o bem-estar e a saúde financeira na aposentadoria.

Um plano de previdência privada é um produto de investimento que, como qualquer outro, possui características desenhadas para os seus objetivos. Para entender se um plano de previdência privada é o ideal para você, é importante pensar se você busca atender a um ou mais dos seguintes objetivos:

1) construir meio de geração, incremento ou complementação de renda. É bastante comum, especialmente após a Reforma da Previdência Pública, que o trabalhador perceba que seus ganhos serão achatados com a aposentadoria do INSS e sua renda passe a ser insuficiente para manter o seu padrão de vida, por exemplo;

2) realizar acúmulo pecuniário de longo prazo obtendo benefícios como isenção do “Come cotas” dos fundos de investimento tradicionais;

3) realizar planejamento tributário aumentando suas restituições de imposto de renda e obtendo tributação mais favorável. A tabela regressiva do Imposto de Renda pode chegar a até 10% depois de 10 anos, fazendo do plano de previdência privada um investimento atrativo para quem está realizando planejamento tributário e financeiro;

4) facilitar a transmissão de valores em caso de óbito, já que a sucessão patrimonial no plano de previdência se dá sem burocracias com a destinação dos recursos acumulados diretamente aos designados pelo titular, no percentual indicado, sem necessidade de inventário.

Sabendo o que um plano de previdência pode te oferecer, você já está apto para avançar e entender melhor quais as diferenças entre planos PGBL e VGBL.

PGBL x VGBL

Vamos então entender um pouco sobre os dois tipos de planos de previdência, o PGBL – Plano Gerador de Benefício Livre e o VGBL – Vida Gerador de Benefício Livre.

A grande vantagem do PGBL está relacionada ao planejamento tributário já que permite um abatimento em sua renda bruta anual de até 12%, retirando esse percentual de sua base de cálculo. Porém, no resgate, o imposto de renda incidirá sobre o valor total e não somente sobre a rentabilidade, de modo que o PGBL é mais indicado para quem realiza declaração completa de imposto de renda.

Já no VGBL, a tributação incidirá apenas sobre a rentabilidade. Assim, a tributação é mais favorável, mas não permite o desconto de até 12% na base de cálculo do imposto de renda.

Fique atento às dicas para escolher um fundo de previdência privada

Existem centenas de fundos das mais diversas instituições financeiras e escolher entre os produtos oferecidos pode ser confuso. Aqui estão algumas informações adicionais para orientar sua escolha:

  • consulte um especialista;
  • fique atento à tabela de tributação progressiva ou regressiva. A tabela progressiva é para quem tem objetivos de curto prazo. A regressiva é interessante para quem pretende manter o seu plano de previdência por 10 anos ou mais, reduzindo alíquota;
  • todo fundo é um condomínio com um gestor, conheça o histórico do gestor e os papéis/títulos que compõem o fundo e estão na lâmina de oferta do investimento. Conheça a composição do fundo e a carta de ativos que devem estar presentes;
  • fique atento aos custos com taxa de administração e taxa de carregamento;
  • fique atendo ao desempenho do fundo que, de preferência, deve ser superior ao CDI;
  • compare produtos de fornecedores diferentes;
  • certifique-se de que você pode pagar as contribuições. Pode haver um pagamento mínimo. Se você está com um orçamento apertado ou tem uma renda irregular, verifique se você terá que se comprometer com pagamentos regulares ou se você pode variar quanto e quando você paga;

Por fim, caso já possua um plano, faça a portabilidade caso o seu plano de previdência esteja com desempenho ruim ou inadequado para as suas necessidades, revisitando com frequência sua escolha e as novas oportunidades mais competitivas que aparecerem no mercado.

Se você quer obter mais informações sobre os benefícios da previdência privada, visite nossos posts relacionados e continue acompanhando regularmente nosso blog.