Impacto do Brexit na economia do Reino Unido pode ser “pior que a Covid”

O impacto do Brexit na economia britânica será pior a longo prazo em comparação com a pandemia do coronavírus, disse o presidente do Departamento de Responsabilidade Orçamentária.

Richard Hughes disse que deixar a União Europeia reduzirá o PIB potencial do Reino Unido em cerca de 4% no longo prazo.

Ele afirmou que as previsões mostraram que a pandemia iria reduzir o PIB “em mais 2%”.

“A longo prazo, o Brexit pode ter um impacto maior do que a pandemia”, afirmou.

Seus comentários vieram depois que o OBR (Departamento de Responsabilidade Orçamentária) afirmou que o custo de vida poderia aumentar em seu ritmo mais acelerado por 30 anos, sugerindo que a inflação poderia atingir quase 5%.

Ao se pronunciar após o orçamento de quarta-feira, Hughes disse que dados recentes mostraram que o impacto do Brexit foi “amplamente consistente” com a suposição do OBR de que a saída da União Europeia “reduziria o PIB britânico de longo prazo em cerca de 4%”.

“Pensamos que o efeito causado pela pandemia reduzirá essa produção (PIB) em mais 2%”, acrescentou ele.

O que é o PIB e como ele é medido?

O PIB ou Produto Interno Bruto é uma das formas mais importantes de mostrar quão bem, ou mal, uma economia está desempenhando. É uma medida — ou uma tentativa de medir — a atividade de empresas, governos e indivíduos em uma economia.

Em uma economia em crescimento, o PIB trimestral será ligeiramente superior ao do trimestre anterior, um sinal de que as pessoas estão trabalhando mais e ficando (em média) um pouco mais ricas. Se o PIB está caindo, então a economia está encolhendo.

O Reino Unido votou para deixar a União Europeia em 2016 e deixou o bloco comercial oficialmente em 31 de janeiro de 2020, entretanto, ambos os lados concordaram em manter muitas coisas iguais até 31 de dezembro de 2020, antes que um novo acordo comercial fosse anunciado e implementado em 1 de janeiro deste ano.

Problemas na cadeia de fornecimento

Tanto a pandemia quanto o Brexit desempenharam um papel crucial nos problemas atuais da cadeia de abastecimento em todo o Reino Unido e expuseram ainda mais a falta de caminhoneiros, o que resultou na recente escassez de produtos para as empresas e em algumas prateleiras vazias nos supermercados para os consumidores.

Entretanto, no último relatório do OBR, o órgão independente afirmou que “os gargalos de abastecimento haviam sido exacerbados pelas mudanças nos regimes de migração e comércio depois do Brexit”.

Os problemas na cadeia de abastecimento levaram o governo a conceder vistos de curto prazo aos trabalhadores da União Europeia em alguns setores, incluindo a indústria de transporte.

O British Poultry Council (Conselho Avícola Britânico) disse que os criadores de perus farão o possível para garantir que o Natal “seja o mais normal possível”, mas alertou que a escassez é provável, devido a uma falta de trabalhadores sazonais de outros países.

O governo britânico garantiu aos consumidores que os perus estarão disponíveis para a época festiva e também concedeu vistos temporários em uma tentativa de aumentar o número de trabalhadores.