Exportações de café caem 29% em setembro

As exportações de café verde caíram 29% em setembro em comparação com o mesmo período do ano anterior — 2,74 milhões de sacas de 60 kg — afirmou o Conselho dos Exportadores de Café (Cecafé) nesta quarta-feira, uma vez que as dificuldades de embarque continuavam a dificultar o fluxo da mercadoria.

O presidente da Cecafé, Nicolas Rueda, disse que não houve mudança no que diz respeito à expedição, com os exportadores lutando para conseguir reservas de contêineres e navios, bem como o enfrentamento frequente de adiamentos das carga das empresas de navegação.

“Há uma competição intensa entre os exportadores para garantir a segurança dos contêineres e para reservar as cargas. E tudo isso é muito caro”, disse Rueda em uma declaração, acrescentando que a situação está testando a capacidade de planejamento dos exportadores.

EUA afetados

Ele comentou que os importadores dos principais países consumidores, como os Estados Unidos — principal cliente do Brasil—, também estão sofrendo, tendo que gerenciar as interrupções na cadeia de abastecimento.

As exportações brasileiras de café arábica, o tipo mais leve, caíram 24%, 2,42 milhões de sacas, enquanto os embarques de café robusta, do tipo utilizado em misturas pela indústria de café instantâneo, caíram 51%, totalizando 326.045 sacas.

Há uma forte demanda por café robusta no mercado interno brasileiro à medida que os torrefadores aumentam o uso desse café em seus blends desde que os preços do café arábica subiram para máximos históricos após as geadas do mês de julho.

Além de ser o maior exportador de café do mundo, o Brasil é o segundo maior consumidor da bebida, atrás apenas dos Estados Unidos.