Como economizar 50% do seu salário

Hoje faremos um passo a passo sobre como se organizar para poupar até 50% do seu salário. Sabemos que a maior parte das dicas sobre como economizar dinheiro disponível na internet passa por fazer uma planilha de orçamento doméstico. Mas de que adianta fazer uma planilha de orçamento doméstico se ela não vai ser utilizada ou até mesmo elaborada da maneira correta? Por isso é que neste artigo seremos bastante ousados e proporemos aqui uma economia de até 50% do seu salário como regra. E para atingir tal objetivo estabeleceremos aqui um conjunto de ideias e iniciativas que podem e devem ser utilizadas por todos aqueles que estão com dificuldades de organizar seu orçamento, de limitar suas despesas e também por aqueles que já tem as despesas organizadas dentro do orçamento doméstico mas que querem poupar um pouco mais para planejar sonhos futuros ou a aposentadoria precoce.

A seguir demonstraremos 6 passos que podem te ajudar a atingir esta meta de economizar até 50% do seu salário.

6 passos

Primeiro – Diagnóstico

O primeiro passo consiste no diagnóstico, ou seja, fazer um levantamento do seu gasto e da sua renda mensal. Este passo inicial é fundamental. Embora todos (ou quase todos) saibamos, aproximadamente qual o nosso salário bruto, a grande maioria não sabe quanto é que recebe efetivamente como pagamento pelo seu trabalho. Além disso, algumas pessoas possuem outras fontes de renda além do seu trabalho, como alugueis, rendimento de investimentos, trabalhos desempenhados como freelancer, enfim, receitas extras que acabam entrando no orçamento e que nem nos damos.

Por isso, o primeiro passo é colocar no papel efetivamente todas as rendas que você (e eventualmente seu núcleo familiar – se o orçamento da família for conjunto) para que você tenha conhecimento exato de tudo aquilo que recebe mensalmente.

Da mesma forma, no lado das despesas, é importante colocar no papel todas as despesas que você possui. Todas mesmo! E neste momento, não se preocupe em classificar as despesas. Apenas coloqe no papel os gastos que você tem, um a um. Aqui vai uma dica, utilize uma planilha simples ou um papel (e não qualquer aplicativo ou outras ferramenta) porque neste momento você precisa de muita flexibilidade e seu objetivo ainda é só o diagnóstico dos seus ganhos e gastos, sem maiores classificações ou outras ferramentas mais complexas.

Não estamos aqui dizendo que os aplicativos são inúteis ou que não atendem ao fim a que se propõem. Ao contrário. Estamos dizendo que neste momento (no primeiro passo) o aplicativo vai te oferecer tantas funcionalidades que ao invés de te ajudar ele irá te atrapalhar e desestimular no processo.

Segundo passo – Descobrir quais despesas podem ser cortadas

Como descobrir quais despesas podem ser cortadas? Para identificar as despesas que podem ser eliminadas você deve separar as suas despesas listadas no passo acima somente em duas listas: gastos essenciais e gastos supérfluos. Só isso. Não se preocupe em classificar como saúde, lazer, entretenimento, moradia etc. Neste momento é importante identificar o que é essencial e o que não é essencial para que se verifique o que pode ser cortado.

Mais uma vez é importante ser rigoroso na identificação dos gastos e de sua essencialidade ou não. Não basta aqui estimar dizendo “Ah, gastos supérfluos são em torno de R$ 500.” É importante verificar precisamente para que a meta de economizar 50% do seu salário seja atingida.

Na lista de gastos essenciais colocaríamos, por exemplo, conta de água, de luz, de internet, sabonete etc. Já na coluna dos gastos supérfluos colocaríamos o cinema, Mc Donalds, TV por assinatura, Netflix e assim por diante.

Terceiro passo – o poder das unidades

Agora estamos chegando em um momento muito importante do nosso passo-a-passo. Isto porque, muitas vezes, mesmo tendo cortado tudo o que era possível dentre os supérfluos ainda estaremos gastando acima dos 50% do nosso salário. Às vezes verificaremos que somente os gastos essenciais superam os 50% do nosso salário que é a nossa meta de gastos. Então o que fazer?

Aqui a ideia do “Poder das unidades” é contabilizar itens que são essenciais e utilizados com frequencia, como por exemplo o sabonete e não contabiliza-los com o valor financeiro, mas sim com o número de unidades utilizadas. Assim, se você utiliza dois sabonetes por mês, ao inves de lançar R$ 5 reais na sua tabela você vai lançar 2 unidades por mês. No total você terá gasto 24 unidades de sabonete por ano. Mas qual a diferença? A diferença é que ao inves de ir ao supermercado e comprar 1 sabonete cada vez que o seu sabonete estiver acabando, você, sabendo que gasta 24 unidades de sabonete por ano, poderá planejar e comprar quantidades maiores com maior desconto em atacadistas ou aproveitar promoções do tipo leve 12 e pague 10.

Este processo pode ser repetido com vários itens da sua utilização rotineira, como pasta de dente, xampu, latas de milho, papel higiênico, pacotes de feijão e vários outros itens, especialmente os não perecíveis, permitindo que você utilize o “poder das unidades” a seu favor.

Um outro exemplo muito interessante é comprar roupas fora da estação. Se está chegando o inverno é hora de comprar roupas de verão e vice-versa.

Outro gasto essencial que aparentemente não se pode mudar mas que é possível ser reduzido é o aluguel. Se está caro, você deve considerar se mudar? Se o seu estilo de vida está muito superior ao que seu orçamento permite, é hora de baixar um pouco o seu padrão de consumo e ir elevando novamente de acordo com a elevação da sua renda.

Quarto passo – o poder da meta

Aqui o quarto passo é estipular uma meta. Estipular uma data, um planejamento para que você alcance a meta para alcançar o objetivo de poupar 50% do seu salário. A ideia não é reduzir de uma vez, mas sim estabelecer metas trimestrais e factíveis. Por exemplo, se no seu diagnóstico você está gastando 90% da sua renda, fixe a meta para dali 3 meses reduzir para 70%.

Quinto passo – fundo de emergências

O quinto passo é a constituição de um fundo de emergência para que seja possível, mesmo diante de um gasto extraordinário, manter a sua meta de gastos. Assim, é que imaginemos que você estava ali já economizando 60% da sua renda e surge uma despesa extraordinária como o conserto do carro ou como uma multa ou, ainda, um reparo emergencial na sua casa. Neste caso, se você já tem uma reserva de emergência constituída, esse gasto extraordinário não será suportado pela sua renda mensal, mas será computado na conta do seu fundo de emergência.

Sexto passo – consequência

A consequencia é a alteração do seu mindset de uma pessoa que era incapaz de poupar para um mindset de acumulação de riqueza. Esta consequencia é o resultado da sua mente trabalhando para você, incorporando ao seu jeito de ser e de viver as regras que você mesmo estabeleceu para o seu consumo e estilo de vida. Depois destes seis passos tenha certeza de que você nunca mais irá olhar para o seu orçamento de forma irresponsável.

Mas se mesmo assim você fracassar após seguir os seis passos acima, não desanime. Reflita e verifique que às vezes o seu estilo de vida é superior ao seu nível de renda ou às vezes a sua renda é inferior ao necessário para manter o estilo de vida que você quer levar.

Em ambos os casos, a solução para você após serguir estes seis passos é buscar uma forma de aumentar a sua renda. Aí cabe procurar um tempo para desenvolver uma atividade extra, trabalhar com alguns freelances, realizar tarefas extraordinárias para complementar a renda que você precisa para suportar seu estilo de vida. Uma outra forma é aproveitando o dinheiro que você já conseguiu economizar com os passos acima e investir na sua qualificação e educação para que seja possível que você se torne um profissional mais valioso no mercado e consiga, assim, auferir um salário melhor.

Esperamos ter te ajudado com estas dicas. Deixe aí nos comentários a sua experiência com os nossos seis passos e siga acompanhando nosso blog para mais dicas e informações sobre finanças, investimentos e educação financeira. Até mais!