Cartão de crédito: o que fazer para não se endividar!

As dívidas do cartão de crédito são muito comuns entre os brasileiros, infelizmente. As razões para que isso aconteça são bem variadas: atrasos no pagamento da fatura, pagamentos mínimos, cheque especial, entre outros. 

Se você for uma das pessoas que têm dificuldades em fazer as pazes com esse facilitador de vidas, continue a leitura e confira algumas dicas para não se endividar mais com ele. Boa leitura!

Sempre pague as suas faturas em dia

De tempos em tempos, vemos na TV e nas mídias sociais que o brasileiro segue cada vez mais endividado. E em especial, tendo o cartão de crédito como principal vilão da história. Em junho de 2021, mais de 80% das famílias brasileiras possuíam algum tipo de dívida nele, segundo pesquisas. Esse número é assustador, porém é a realidade de muitos aqui no país.

Um dos motivos para esse resultado catastrófico é o uso do cheque especial — um recurso muito perigoso que essas famílias acabam recorrendo. Mas por que isso acontece? Porque as pessoas acabam deixando de pagar as faturas na data certa ou então porque não têm dinheiro para quitar os valores mensais.

Uma forma de contornar a situação (que não é muito boa) é pagar o mínimo da fatura ou, então, tomar ações mais drásticas que acabam resultando em juros exorbitantes e quase impossíveis de pagar. A única forma de evitar que isso ocorra é pagando tudo em dia. Por isso, da próxima vez tenha mais cuidado com o total da fatura e não se esqueça de pagá-la totalmente.

Se você não tem controle, é melhor deixá-lo bem escondido

O cartão de crédito pode ser o seu melhor amigo ou o seu inimigo mortal, tudo depende só de como você o utiliza. Se você for do tipo de pessoa que não aguenta ver uma novidade — não importa muito o quê — que você já sai correndo para ser um dos primeiros a ter e usa o seu cartão compulsivamente, é melhor deixá-lo bem escondido e longe de você — pelo menos, até que a vontade passe. 

Ao fazer isso, você não vai contrair uma dívida desnecessária e, de quebra, ainda vai economizar e manter as suas finanças mais saudáveis. Portanto, da próxima vez que a vontade vier, peça a um amigo(a) para te ajudar — não vale a pena ser escravo do cartão de crédito!

Compre só se puder pagar

Assim como você não deve utilizá-lo compulsivamente, é fundamental que você compre apenas aquilo que você tem certeza que poderá pagar. Mas o cartão de crédito não serve para comprar hoje e pagar amanhã? Sim! Mas você deve ficar de olho nos seus limites.

Tem muita gente que se complica bastante porque acha que deve comprar tudo o que vê pela frente só porque o limite do cartão é alto, e tem mais gente ainda que vive atolado em dívidas porque não consegue pagar as faturas.

Manter esse comportamento é totalmente prejudicial para a sua saúde financeira. Você deve sempre planejar os seus gastos e se comprometer apenas com aquilo que consegue dar conta. Será bem melhor se você se planejar e aguardar mais alguns meses até que tenha terminado as parcelas do que você já comprou. Não deixe a afobação te dominar.

Não o utilize como se fosse a sua conta do banco

A praticidade dos cartões de crédito é o que os torna tão sedutores, concorda? Pois é, poder comprar qualquer coisa, a qualquer momento… é simplesmente fenomenal. Apesar dessa facilidade, verdade seja dita: os pequenos gastos do dia a dia podem fazer você perder o controle dos gastos e acabar se endividando todo — especialmente se você não for do tipo de pessoa que acompanha as suas finanças de perto!

Os pequenos gastos que se repetem rotineiramente podem crescer e crescer até se tornarem bolas de neve massivas e impossíveis de controlar. Sendo assim, tenha mais cuidado com as pequenas coisinhas que você vai comprando durante o dia no seu cartão de crédito. Em vez disso, seria muito melhor se você utilizasse o cartão de débito.

Não parcele as suas despesas nele

Um outro erro muito comum é parcelar itens de consumo no cartão de crédito. Aqui, entram as despesas com compras no supermercado, combustível, farmácia, entre outros. Ou seja, aquilo que você tem que comprar sempre — o que é totalmente contrário a ideia do cartão de crédito.

Uma alternativa a esse comportamento é substituir o parcelamento das compras pelos pagamentos à vista. Lembre-se que o crédito deve ser usado de forma mais específica. Talvez, esse seja o grande problema das famílias brasileiras: confundir o crédito com o dinheiro que realmente existe no saldo da conta bancária. Aliás, as pessoas costumam confundir bastante o limite que possuem com o dinheiro total que elas têm para gastar. Não cometa mais esse erro.

Portanto, da próxima vez que você precisar comprar algo desse tipo, deixe o seu cartão de crédito bem escondido, ele não foi inventado para isso. Use-o apenas com os itens que você não precisará comprar várias vezes. Garanta que ele cumpra a função para que ele foi destinado.